Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Em ofício, governadores pedem a Bolsonaro diálogo internacional para compra de vacinas

Assinado por 15 gestores estaduais, documento não foi chancelado por Rui Costa

[Em ofício, governadores pedem a Bolsonaro diálogo internacional para compra de vacinas]
Foto : Isac Nóbrega/PR

Por Gabriel Amorim no dia 20 de Janeiro de 2021 ⋅ 21:30

Governadores de 15 estados encaminharam na tarde de hoje (20) um ofício ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O documento pede que seja retomado o diálogo com China e Índia por parte do presidente. Os dois países são fornecedores de insumos necessários à produção de vacinas contra a Covid-19.

"Nesse sentido, solicitam a essa Presidência que seja avaliada a possibilidade de estabelecimento de diálogo diplomático com os governos dos países provedores dos referidos insumos, sobretudo China e Índia, para assegurar a continuidade do processo de imunização no País", diz o ofício assinado por Wellington Dias (PT), governador do Piauí e líder do grupo sobre estratégias para vacina contra covid-19 no Fórum Nacional de Governadores.

Assinam o documento os governadores de Alagoas, Renan Filho (MDB); do Amapá, Waldez Goés (PDT); do Ceará, Camilo Santana (PT); do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB); do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM); de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo); do Pará, Helder Barbalho (MDB); da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania); de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB); do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT); do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), de São Paulo, João Doria (PSDB); e de Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD).

Na manhã de hoje, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) esteve em reunião com o embaixador chinês para tratar do assunto. Maia disse ver empecilho técnico para o envio dos insumos pelos chineses.

Notícias relacionadas