Brasil

#MeuMotoristaAbusador: escritora lança campanha e estimula vítimas a relatarem abusos

Após ser estuprada por um motorista do Uber, a escritora Clara Averbuck, de 38 anos, lançou a campanha #MeuMotoristaAbusador, nesta semana, para que mulheres denunciassem casos de abuso semelhantes. Em pouco tempo, muitas mulheres relataram situações abusivas nas redes sociais [Leia mais...]

[#MeuMotoristaAbusador: escritora lança campanha e estimula vítimas a relatarem abusos]
Foto : Reprodução

Por Paloma Morais no dia 01 de Setembro de 2017 ⋅ 14:30

Após ser estuprada por um motorista do Uber, a escritora Clara Averbuck, de 38 anos, lançou a campanha #MeuMotoristaAbusador, nesta semana, para que mulheres denunciassem casos de abuso semelhantes. Em pouco tempo, muitas mulheres relataram situações abusivas nas redes sociais.

Uma delas contou em seu twitter que um condutor perguntou se ela gostaria de ir para outro lugar em vez do local sinalizado como destino. Com a negativa, ele teria alterado o trajeto, indo por um caminho mais longo. Uma outra mulher escreveu em suas redes sociais que o motorista pediu um beijo a ela, e ao negar, ele a ameaçou dizendo que sabia onde ela morava.

Uma leitora do Metro1 também relatou uma situação de abuso. Ela estava voltando de uma festa com a tia, que havia bebido de forma excessiva, em um dos veículos do Uber. Aproveitando a situação, o motorista teria passado a mão na coxa de sua tia, que estava sentada no banco de carona, e que não conseguiu reagir no momento. Ao chegar em casa, ela contou o ocorrido e afirmou que ficou com medo de reclamar. “Ah não, ele sabe onde fica minha casa e podia fazer alguma coisa”, contou a sobrinha da vítima sobre a explicação de sua tia.

Na legislação brasileira, o estupro é definido como “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso". A pena varia de seis a 30 anos de reclusão.

Confira os relatos:

Notícias relacionadas