Brasil

Moro quer usar bens confiscados de criminosos para reformar e construir presídios

O objetivo da medida é reduzir o deficit de vagas e contratar mais engenheiros civis para atuarem na construção e reforma de presídios

[Moro quer usar bens confiscados de criminosos para reformar e construir presídios ]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Kamille Martinho no dia 17 de Maio de 2019 ⋅ 21:00

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, deve enviar à Casa Civil o texto de uma medida provisória que pretende facilitar a venda de bens confiscados de criminosos e utilizar os recursos para construir novos presídios. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O ex-juiz da Lava Jato alega que o objetivo da medida é reduzir o deficit de vagas no sistema prisional brasileiro e, com o dinheiro arrecadado, contratar mais engenheiros civis para atuarem na construção e reforma de presídios.  

Além de resolver o problema em relação às vagas nos presídios, a MP também pretende desburocratizar o processo para a realização de leilões de bens confiscados do tráfico de drogas e de empresas flagradas com trabalhadores em condições análogas à de escravos.

Notícias relacionadas

[Inscrições para o Prouni se encerram hoje]
Brasil

Inscrições para o Prouni se encerram hoje

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Junho de 2019 ⋅ 14:20 em Brasil

Programa oferece cerca de 169 mil vagas, sendo 68 mil de bolsas de estudo integrais e 101,1 mil para bolsas parciais

[Morre, aos 76 anos, jornalista Clóvis Rossi ]
Brasil

Morre, aos 76 anos, jornalista Clóvis Rossi 

Por Alexandre Galvão no dia 14 de Junho de 2019 ⋅ 07:48 em Brasil

Nascido em 25 de janeiro de 1943 no bairro do Bexiga, em São Paulo, filho de seu Olavo, vendedor de máquinas pesadas, e dona Olga, artesã de grinaldas e buquês de flores,...

[Bolsonaro pede desculpas a Maria do Rosário]
Brasil

Bolsonaro pede desculpas a Maria do Rosário

Por Kamille Martinho no dia 13 de Junho de 2019 ⋅ 16:20 em Brasil

O pedido é o cumprimento de uma determinação judicial, após o presidente afirmar que a deputada "não merecia ser estuprada"