Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Domingo, 21 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Editorial

/

Mário Kertész critica decisão do Muncab de colocar exposição feita por Emanoel Araujo como 'reserva': "Inaceitável"

Editorial

Mário Kertész critica decisão do Muncab de colocar exposição feita por Emanoel Araujo como 'reserva': "Inaceitável"

Radialista comentou sobre a importância do artista plástico na história do Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira

Mário Kertész critica decisão do Muncab de colocar exposição feita por Emanoel Araujo como 'reserva': "Inaceitável"

Foto: Reprodução Rádio Metropole

Por: Metro1 no dia 26 de fevereiro de 2024 às 09:56

O radialista Mário Kertész criticou a decisão da direção do Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira (Muncab), localizado no Centro Histórico de Salvador, de escalar como exposição reserva uma mostra realizada pelo museólogo, artista plástico e curador Emanoel Araujo. O comentário foi feito nesta segunda-feira (26) na Rádio Metropole.

Para Mário, não há justificativa que explique a escolha. “Esse Muncab existe em função do trabalho de duas pessoas basicamente: Capinan e Emanoel Araújo. Um artista plástico [Emanoel] com enorme valor reconhecido aqui e no exterior, tem uma exposição feita por ele fantástica, e está como reserva. Não há hipótese disso ser uma coisa acertada. Sei do valor dele, o Brasil sabe. Esquecer o trabalho de Capinam e Emanoel Araujo e colocar como exposição reserva é inaceitável. Vocês não sabem quem foi Emanoel”, declarou MK.

Emanoel foi um dos maiores responsáveis pela idealização, criação e realização do Muncab. Ao lado do poeta baiano José Carlos Capinan, dos historiadores Ubiratan Castro e Jaime Sodré, e do advogado Carlos Augusto Marighella, Emanoel esteve na linha de frente da inauguração do museu, no ano de 2011. 

Dois anos antes da abertura oficial, em 2009, o museu recebeu sua primeira exposição,  O Benin Está Vivo Ainda Lá, Ancestralidade e Contemporaneidade, com curadoria de Emanoel. Até o próprio lugar onde o equipamento fica localizado, um prédio que faz parte de um conjunto arquitetônico tombado pela UNESCO, foi uma escolha do artista com base na importância histórica e cultural da edificação. Após três anos fechado, o Muncab reabriu em 2023 com a exposição Um Defeito de Cor, da escritora Ana Maria Gonçalves, que segue até o final de março deste ano. 

O museólogo morreu em setembro de 2022 e deixou um vasto acervo, sendo a maior coleção particular de arte do Brasil produzida por artistas negros reunida no Museu Afro Brasil, o qual ele foi gestor.

Confira o comentário: