Editorial

'Ditadura bolsonarista' está cada vez mais perto, diz MK; ouça

Em comentário na Rádio Metrópole, Mário Kertész afirmou que declarações e atitudes do presidente e de seus filhos indicam risco à democracia

['Ditadura bolsonarista' está cada vez mais perto, diz MK; ouça]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Metro1 no dia 01 de Novembro de 2019 ⋅ 08:05

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (1º), Mário Kertész voltou a alertar sobre os riscos que a democracia brasileira corre, diante das recentes declarações e atitudes de membros do governo. MK repudiou a fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que defendeu um novo Ato Institucional nº5 em caso de "radicalização" da esquerda, e lembrou que o AI-5 "foi como se o Brasil tivesse entrado nos piores dos tempos".

"Fala-se muito em ditadura, nossos governantes juram respeitar a Constituição, mas em alguns casos é da boca pra fora. (...) Eduardo foi criticado duramente por políticos decentes do país, de todos os partidos, inclusive do partido dele. Acho engraçado quando ele fala 'se a oposição radicalizar', quero saber qual é a oposição que o Brasil tem hoje. A oposição que o governo Bolsonaro tem é a oposição feita pelo seu próprio partido e pelos seus miltantes. (...) Os militares não gostaram nem um pouco", disse.

MK também fez críticas ao fato de que Bolsonaro determinou o cancelamento de assinaturas da Folha de S. Paulo por parte dos órgãos do governo federal, além de ameaçar anunciantes do jornal. "Ele está se comportando igual a Hugo Chávez, Maduro, da Venezuela, que ele mesmo e tantos dos seus criticam. (...) Na realidade estamos caminhando, a passos acelerados, ou para haver uma reação da democracia, ou então nós vamos sucumbir à ditadura bolsonarista. Coisa que, evidentemente, eu não desejo, mas cada dia vejo chegar mais perto. O presidente não se conforma com nada, tudo tem que ser como ele quer", avaliou.

Ao abordar a postura do Ministério Público do Rio de Janeiro quanto aos áudios que implicam o presidente Jair Bolsonaro no caso Marielle Franco, MK disse que viu e leu "muitas ditaduras que começaram assim". Uma reportagem da Folha de S. Paulo aponta que a perícia do material foi realizada a toque de caixa, em apenas 2h25min, após a reportagem do Jornal Nacional revelar a denúncia.

"Adolf Hitler, por exemplo, assumiu democraticamente, e devagar foi, foi, foi, até que pôs fogo no prédio do Congresso e começou a tomar uma série de medidas contra a imprensa, contra os judeus, e aí nós vimos o resultado. (...) Agora é isso que está acontecendo, infelizmente, aqui no Brasil. Ninguém subestime. As coisas estão caminhando da pior maneira possível. Isso não é brincadeira", ressaltou.

Ouça o comentário completo:

Notícias relacionadas