Editorial

'Qual imprensa livre que existe se ela é sufocada pelo governo?', questiona MK sobre decisão de Bolsonaro

Em editorial durante o Jornal da Metrópole no Ar, MK comentou ainda a iniciativa do presidente de mudar de partido

['Qual imprensa livre que existe se ela é sufocada pelo governo?', questiona MK sobre decisão de Bolsonaro]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Metro1 no dia 13 de Novembro de 2019 ⋅ 19:02

Mário Kertész comentou hoje (13) a decisão do presidente Jair Bolsonaro de priorizar a distribuição de verbas publicitárias para TVs abertas para Record e SBT —emissoras consideradas aliadas ao Planalto, mas que não são líderes de audiência. Em editorial durante o Jornal da Metrópole no Ar da Rádio Metrópole, MK acrescentou ainda a iniciativa do presidente de mudar de partido.

"Ele agora vai mudar de partido. Vai no DPVAT para perseguir e ir em cima do adversário. Fez a MP que foi derrubada, que eximia as sociedades anônimas e empresas de publicar balanços e atas em jornais para ir contra a imprensa. Fala da democracia, mas qual a democracia que existe se não tem imprensa livre? Qual imprensa livre que existe se ela é sufocada pelo governo? O governo Bolsonaro agora só investe no SBT e na Record. E estamos conversados, tá? Pois é, mas as coisas não ficam só assim não", declarou. 

Mário Kertész ainda relembrou do comentário que fez no dia anterior, quando demonstrou otimismo com a decisão de Bolsonaro para a extinção do seguro DPVAT e do programa "Emprego Verde e Amarelo". "Com a corrupção existente disso, com o passar dos anos, pensei: 'que coisa boa'. Que nada. Ele fez somente para ir em cima de Luciano Bivar, presidente do PSL, que hoje é inimigo dele. Para mostrar a delicadeza e a gentileza do presidente, ele vira para o príncipe e diz que deveria ter escolhido ele como vice ao invés de Mourão", disse, citando o interesse do presidente em cogitar o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança como seu vice. 

"O STF continua em sua briga interna, o clima azedou após o ministro Fux suspender o processo contra Deltan Dallagnol, solicitado por Dias Toffoli. Fux disse Fuck-se you. E assim que o Brasil vai. Cada dia, uma criança no Rio de Janeiro morre por bala perdida, ou achada", disse MK.

Confira o comentário na íntegra:

Notícias relacionadas