Editorial

Governo Bolsonaro está 'partindo para o confronto' após operação da PF, diz MK

Em comentário na Metrópole, Mário Kertész avaliou desdobramentos da operação contra o chamado "gabinete do ódio": "Esse governo anda doido para implantar um regime de exceção"

[Governo Bolsonaro está 'partindo para o confronto' após operação da PF, diz MK]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 28 de Maio de 2020 ⋅ 08:19

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (28), Mário Kertész demonstrou preocupação com os rumos da democracia no Brasil após os desdobramentos da operação deflagrada ontem (27) pela Polícia Federal, a pedido do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Eu não gosto de fazer previsão, não tenho vocação pra astrólogo, nem pra Madame Beatriz. Mas há algum tempo venho dizendo a vocês que esse governo do presidente democraticamente eleito Jair Bolsonaro anda doido, doido, doido para implantar um regime de exceção aqui no país. Ontem tivemos uma decisão dura, justa, do Supremo Tribunal Federal, no sentido de combater os ataques ao próprio Supremo, o que é democracia, de combater as fake news... E qual foi a reação? Primeiro, na véspera, teve o grande baculejo contra o governador do Rio de Janeiro [Wilson Witzel]. Todo mundo apoiou, ótimo, maravilha, mas ontem, quando começou a haver baculejo contra bolsonaristas, encarregados e financiadores do tal gabinete do ódio, ah, o deputado Eduardo Bolsonaro na mesma hora disse que agora não se trata de saber 'se' vai haver uma ruptura, mas 'quando'. (...) E ontem, quando foram em cima daqueles empresários, deputados... tem uma senhora aí, [Sara] Winter, que ficou indignadíssima, xingou todo mundo, saiu dizendo o diabo. O próprio presidente da República fez uma reunião com um grupo de ministros pra ver como reagir e se vai aceitar isso. Se vai aceitar a lei?  (...) Evidentemente o presidente da República está partindo para o confronto, que vai acontecer. Quem vai estar ao lado dele, será um golpe de força, não será... Tem gente que acredita que ele tem 30% de apoio popular. Eu não acredito, acho que o apoio dele é bem menor", analisou.

MK frisou que não é a favor de qualquer golpe ou medida antidemocrática contra o presidente Jair Bolsonaro. "Ele foi eleito, tem que cumprir o mandato dele. Agora, com limites, obedecendo a democracia. Ele não pode todo dia, a depender do humor dele, ou da vontade, ou dos amigos que são atingidos, ele mudar de opinião e querer bagunçar a coisa toda", pontuou.

Notícias relacionadas