Editorial

'Até quando, Jair Bolsonaro, você vai abusar da nossa paciência?', questiona MK

"Eu não advogo nenhuma violência. Mas eu não vou baixar minha cabeça, não vou me acoelhar e não vou calar minha voz!", disse Mário Kertész, em comentário na Rádio Metrópole

['Até quando, Jair Bolsonaro, você vai abusar da nossa paciência?', questiona MK]
Foto : Matheus Simoni / Metropress

Por Metro1 no dia 29 de Maio de 2020 ⋅ 08:26

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (29), Mário Kertész reagiu com firmeza às investidas do presidente Jair Bolsonaro contra as instituições da democracia brasileira. Embora mantenha o discurso em prol da união para superar as crises política e sanitária, repudiando qualquer forma de violência, MK avalia que este é o momento do "basta!".

"Acho que agora chegou a hora de a gente dizer basta! Chega! Nós não podemos nos acoelhar. Não podemos aceitar um presidente da República que todo dia queira meter medo! Há poucos dias, na porta do Palácio do Planalto, ele disse que não haverá outra semana como a que antecedeu. Ontem ele disse que não haverá outro dia como antes de ontem. Sim, não haverá. Com certeza. Mas não vai ser por causa do medo que ele quer meter na gente. Não, não e não! O presidente se mostra completamente inepto para governar, para enfrentar a pandemia, a miséria deste povo, cruel, só pensa em armar o povo, em disseminar o ódio, ir contra as instituições, na medida em que a instituição tenta, legal e legitimamente, investigar os seus amigos. Quem são os amigos do presidente, eu tô lá interessado em quem é amigo, quem não é amigo? Todos somos cidadãos brasileiros, inclusive ele", analisou.

MK seguiu passando em revista a atual situação do governo Bolsonaro. "Popularidade no chão, economia acabada, os dois esteios dele, [o ex-ministro da Justiça] Sergio Moro, blefe, [o ministro da Economia] Paulo Guedes, pior ainda, outro blefe! Que não tem nem compostura, diz numa reunião ministerial que vai vender o Banco do Brasil. Quer fazer o quê da gente, uma manada? Somos todos idiotas? (...) Que país é esse que estamos vivendo? Até quando, Jair Messias Bolsonaro, você vai abusar da nossa paciência? Até quando as instituições democráticas não vão reagir com vontade, com determinação, sem violência? Porque o violento é o presidente, não somos nós. Eu não advogo nenhuma violência. Mas eu não vou baixar minha cabeça, não vou me acoelhar e não vou calar minha voz!", exclamou.

MK também prestou uma homenagem ao ex-deputado estadual e ex-vice-prefeito de Salvador, Marcelo Duarte, que morreu ontem, aos 88 anos (leia mais). "Marcelo Duarte dedicou a vida dele ao estudo, à defesa da democracia, filho de um grande brasileiro, Nestor Duarte, que honrou a vida dele. Foi uma vida iluminada. E eu posso dizer a vocês que tive a honra de ter Marcelo como meu vice-prefeito, primeiro vice-prefeito eleito, junto com o primeiro prefeito eleito, que fui eu, depois da ditadura militar, em 1985. Nosso mandato foi curto, três anos somente, mas Marcelo sempre honrou a Bahia e o Brasil. Faleceu ontem, aos 88 anos. (...) Mas o exemplo dele fica, e os filhos dele, os netos, estão aí para continuar a obra", disse.

Notícias relacionadas