Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Home

/

Notícias

/

Metropolítica

/

Lideranças da base e da oposição consideram irreversível cassação de deputado por comandar milícia

Metropolítica

Por Jairo Costa Júnior

Notícias exclusivas sobre política e os bastidores do poder

Lideranças da base e da oposição consideram irreversível cassação de deputado por comandar milícia

Após novo cerco do MP contra Binho Galinha e prisão de sua esposa, presidente da Alba garante que Conselho de Ética será instalado nesta quarta

Lideranças da base e da oposição consideram irreversível cassação de deputado por comandar milícia

Foto: Reprodução/Instagram

Por: Jairo Costa Jr. no dia 10 de abril de 2024 às 09:24

A promessa do presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), Adolfo Menezes (PSD), de instalar nesta quarta-feira (10) o Conselho de Ética da Casa tornará irreversível a cassação do deputado estadual Binho Galinha (PRD), acusado de chefiar uma milícia especializada em extorsão, agiotagem, receptação de cargas roubadas e lavagem de dinheiro oriundo do jogo do bicho em Feira de Santana e municípios vizinhos, avaliam líderes da base governista e da oposição consultados pela coluna. Reservadamente, parlamentares dos dois polos de poder com larga quilometragem na Alba apontam a forte pressão da imprensa e os arranhões causados à imagem da Alba pela omissão frente à gravidade das denúncias contra Binho Galinha como fatores cruciais para puni-lo com a perda do mandato.

Mudança de hábito
"Até então, prevalecia o corporativismo, a resistência dos deputados em cortar na carne. Havia a esperança de que o assunto deixasse vitrine da mídia e fosse esquecido pouco a pouco. Tanto que a base aliada se recusava a indicar os nomes para o Conselho de Ética. Somente a oposição fez isso. As novas ações contra Binho Galinha provocaram uma mudança de postura e forçaram nossa bancada a sair das sombras. Do contrário, pagaria sozinha o preço por blindar alguém envolvido com o crime organizado", destacou um experiente parlamentar governista, ao comentar os impactos da Operação Hybris, segunda fase da El Patrón deflagrada na terça-feira (09) pelo Ministério Público do Estado (MP).

Efeito dominó
Após a Metropolítica expor os embaraços gerados à base do governo Jerônimo Rodrigues (PT) na Alba pela demora em apresentar a lista dos deputados para compor o Conselho de Ética, Adolfo Menezes cobrou celeridade do líder da bancada, Rosemberg Pinto (PT), e assegurou a instalação do colegiado em 24 horas. "Com o conselho funcionando, Binho Galinha será cassado. Não existe outra alternativa agora. O clima é esse na Casa. Ninguém vai querer pagar a fatura por livrar a cara dele em ano eleitoral. Ainda mais com os rumores de que vem mais por aí", confidenciou um deputado da oposição.  

Aqui me tens de regresso
Justamente quando o Palácio Thomé de Souza via a polêmica sobre os leilões de áreas verdes como página virada, a Justiça colocou o assunto de volta no horizonte do prefeito Bruno Reis (União Brasil). Em decisão divulgada na noite de terça, a 14ª Vara Cível Federal da Bahia concedeu liminar a favor do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado (CAU) e cancelou a venda de um terreno de quase 2,9 mil m² situado na Avenida ACM, entre o Parque da Cidade e o Hospital Teresa de Lisieux, arrematado em março por R$ 5,85 milhões dentro do pacote de 40 imóveis desafetados pela prefeitura de Salvador, através de projeto de lei aprovado na Câmara de Vereadores em dezembro no ano passado. 

Túnel do tempo
Trata-se do segundo revés judicial sofrido por Bruno Reis no recente bolo de terrenos públicos postos à venda pela prefeitura. Antes, a Justiça Federal havia barrado o leilão de uma área ambiental de proteção permanente localizada na encosta do Corredor da Vitória e cobiçada pela especulação imobiliária. O negócio ganhou destaque nacional e criou desgastes para o prefeito, em meio à avalanche de críticas ao avanço de megaempreendimentos residenciais e empresariais sobre espaços verdes da cidade.

Equação patriota
Empenhado em eleger ao menos três vereadores em Salvador, o presidente estadual do PL, João Roma, conta com a força do bolsonarismo para alavancar votos leais da parcela mais à direita do eleitorado e montar uma chapa competitiva na batalha pela Câmara Municipal. A bancada da sigla possui hoje dois membros - Alexandre Aleluia e Isnard Araújo -, mas aposta em outras quatro candidaturas para ampliar o número de assentos. Entre os quais, o ex-prefeito João Henrique, o ex-deputado estadual Soldado Prisco e os ex-vereadores Lorena Brandão e Cezar Leite, um dos principais quadros da tropa de choque bolsonarista na Bahia. "Além de Aleluia e Isnard, os demais também possuem bases sólidas. Qualquer um deles têm condições de vencer. Minha meta é conquistar três vagas, mas a quantidade pode ser maior", afirmou Roma, em conversa com a Metropolítica.

Eu sou você amanhã 
Ex-ministro da Cidadania do governo Jair Bolsonaro, João Roma garantiu que, embora tenham consciência das chances de perder a disputa por causa da forte concorrência interna no partido, os pré-candidatos a vereador do PL com musculatura na capital decidiram entrar no páreo pela sigla diante das perspectivas de futuro. "Todos estão convictos de que a suplência é uma excelente alternativa, já que vamos trabalhar para que, no mínimo, dois vereadores eleitos dessa chapa se tornem deputados estaduais em 2026. As projeções nos dão segurança para isso. Parte dos que não entrarão de primeira na Câmara Municipal vai conseguir o espaço depois", detalhou Roma.  

Fala, Idecan!
Em reação à nota "Prefeitura de Salvador contrata instituto denunciado por irregularidades para organizar novo concurso", publicada pela coluna no último sábado (06), o Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistencial Nacional (Idecan) defendeu a lisura dos processos seletivos realizados por ele em todo o país ao longo de mais de duas décadas de atuação. "Recentemente, incluímos em nosso portfólio o concurso público do Inmetro, órgão do governo federal responsável por aferir atestados de qualidade de tudo que é fabricado no país. Da mesma forma, os últimos dois certames do IBGE estiveram sob a responsabilidade de nossa renomada banca", argumentou. 

Memória seletiva
Apenas no território baiano, disse o Idecan, "destacamos a atual execução do certame para a Procuradoria Geral do Estado (com provas realizadas há poucos dias), Polícia Técnica Científica/Polícia Civil 2023/2024 (Politec), Instituto Federal Baiano e Universidade Federal da Bahia (Ufba)". "Com um histórico robusto e positivo em concursos públicos, somos reconhecidos pelo forte aparato antifraude, que utiliza tecnologia de última geração para garantir a segurança de todos os processos seletivos", acrescentou. O instituto, porém, não mencionou os concursos em que foi alvo de denúncias em quatro estados do país, conforme apontado pela Metropolítica.

Nascido para morrer
Em iniciativa fadada a naufragar na praia da inconstitucionalidade, o deputado estadual Roberto Carlos (PV) apresentou um projeto de lei que proíbe o uso de redes sociais por crianças com menos de 10 anos na Bahia, independente do consentimento dos pais ou responsáveis legais. Na mesma levada, a proposta obriga empresas que controlam tais plataformas a encerrar contas que sejam utilizadas por pessoas nessa faixa etária e a vedar a disseminação de conteúdo voltado a atrair o público infantil. Por fim, transfere para os órgãos do estado o trabalho de definir como a lei será cumprida e o tipo de pena decorrente do descumprimento.