Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Home

/

Notícias

/

Política

/

Antes de ser transformada em Sufotur, Bahiatursa de Diogo Medrado fez contratos seis vezes acima do orçamento

Política

Antes de ser transformada em Sufotur, Bahiatursa de Diogo Medrado fez contratos seis vezes acima do orçamento

Para aquele ano, a LOA previu receita de R$ 38 milhões, mas a Superintendência ignorou a previsão e firmou contratos que chegaram à casa dos R$ 206 milhões

Antes de ser transformada em Sufotur, Bahiatursa de Diogo Medrado fez contratos seis vezes acima do orçamento

Foto: Mateus Pereira/GOV BA

Por: Metro1 no dia 17 de agosto de 2023 às 09:06

Atualizado: no dia 17 de agosto de 2023 às 09:29

Em 2022, último ano em que funcionou ainda sobre a marca de Bahiatursa, a Superintendência de Fomento ao Turismo da Bahia (Sufotur) praticou um orçamento seis vezes maior do que tinha disponível em caixa. 

Para aquele ano, a Lei Orçamentária (LOA) previu receita de R$ 38 milhões, mas a Superintendência ignorou a previsão e firmou contratos que chegaram à casa dos R$ 206 milhões, de acordo com dados do portal da transparência.Assim, muitos contratos foram feitos de maneira irregular, uma vez que a legislação não permite tais atos sem que haja dotação orçamentária equivalente à despesa que se pretende executar. 

Pela legislação, “é proibida a utilização, pelos ordenadores de despesa, de quaisquer procedimentos que viabilizem a execução de despesas sem a comprovada e suficiente disponibilidade de dotação orçamentária”. A maior parte deles se concentrou entre os meses de junho e setembro, com gastos em festas juninas e até em atos de campanha eleitoral. 

Este ano, já sob o nome de Sufotur, a superintendência mantém o mesmo modelo de atuação, com um volume de contratos mais que o dobro do seu orçamento real de R$ 100 milhões, autorizado pela Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) na LOA. 

Somente as despesas relacionadas ao período de festejos juninos somaram R$ 194 milhões. Já no Carnaval, a Sufotur injetou outros R$ 90 milhões em cotas de patrocínios e contratação de artistas. 

A propósito, o governo assinou contratos com fornecedores e artistas que se apresentaram no Carnaval deste ano em nome da Bahiatursa, mesmo depois do órgão ter sido extinto. Os contratos, todavia, ficaram com a validade questionada, já que a Bahiatursa não tinha mais representação legal e, por conseguinte, não dispunha de orçamento. Ao mesmo tempo, o governo ainda não havia estabelecido a Sufotur como nova unidade gestora.