Política

Fachin pede que Dodge se posicione sobre pedido de Geddel para saber quem denunciou bunker

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 48 horas para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se pronunciar sobre o pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima para ter acesso ao telefone da pessoa que denunciou o bunker onde R$ 51 milhões associados a ele foram encontrados. [Leia mais...]

[Fachin pede que Dodge se posicione sobre pedido de Geddel para saber quem denunciou bunker]
Foto : Divulgação / Polícia Federal

Por Laura Lorenzo no dia 09 de Novembro de 2017 ⋅ 16:44

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 48 horas para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se pronunciar sobre o pedido do ex-ministro Geddel Vieira Lima para ter acesso ao telefone da pessoa que denunciou o bunker onde R$ 51 milhões associados a ele foram encontrados.

Geddel requisitou ao STF que o número de telefone utilizado para fazer a denúncia anônima sobre a quantia seja revelado. O dinheiro foi encontrado em um apartamento no bairro da Graça, em Salvador. Foram achadas impressões digitais do ex-ministro nas notas, que formavam a maior quantia de dinheiro vivo já apreendido pela PF na história. Geddel é investigado por lavagem de dinheiro.

O advogado do peemedebista, Gamil Foppel, requisitou na petição enviada à Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, que o magistrado ‘determine à autoridade policial que certifique, nestes autos, o número telefônico que supostamente teria entrado em contato com o Núcleo de Inteligência Policial, assim como a identidade do agente policial que o recebeu, fato alegadamente ocorrido em 14 de julho de 2017’.

Notícias relacionadas

[Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal]
Política

Luciano Huck vende sua participação no Madero, diz jornal

Por João Brandão no dia 05 de Julho de 2020 ⋅ 16:01 em Política

Sócio majoritário Junior Durski, que já se declarou “100% Bolsonaro”, provocou polêmica no começo da pandemia ao dizer que o Brasil não deveria parar por “cinco ou sete m...