Política

Chico Alencar compara vazamento de Moro com de Dilma: 'Quem com ferro fere, com ferro será ferido'

Então juiz federal, Moro divulgou conversas privadas entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) em 2006

[Chico Alencar compara vazamento de Moro com de Dilma: 'Quem com ferro fere, com ferro será ferido']
Foto : Agência Câmara

Por Juliana Almirante no dia 11 de Junho de 2019 ⋅ 08:56

O ex-deputado federal  Chico Alencar (PSOL-RJ) comparou, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (11), o vazamento de conversas entre o ministro Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol com o áudio de conversas entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) divulgado pelo então juiz federal, em 2006.

"Agora quem com ferro fere, com ferro será ferido. Agora do ponto de vista do meio que revelou a comunicação, está rigorosamente na mesma situação. Tem que ser apurado quem invadiu, se é que não foi alguém do próprio grupo que revelou por divergência interna, hacker ainda está indefinido. Para mim, o mais importante é a conversa que vai na direção contrária do que se chama devido processo legal", disse. 

O ex-parlamentar defende que um juiz federal "não pode ficar trocando figurinhas com o acusador, fazendo um jogo de complementação e colaboração". "Não deixa de ser forma de corrupção", declarou.
 
"Evidentemente que obter informações privadas é um crime, mas como disse o próprio juiz Sérgio Moro certa feita, se o objetivo maior for combater a algo terrível até o meio é secundário", completou Alencar.

Moro chegou a se desculpar pelo vazamento das conversas entre os ex-presidentes, mas em abril deste ano, já como ministro da Justiça, disse em entrevista a Pedro Bial na TV Globo: "O problema não era a captação do diálogo e a divulgação do diálogo, mas o conteúdo do diálogo em si". 

Notícias relacionadas

[PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido]
Política

PSL pede entendimento de Bolsonaro com o partido

Por Metro1 no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 18:44 em Política

Sigla destaca que é a única com 98% de votações favoráveis ao governo federal e que não compactua com eventuais desgastes