Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

‘Talvez eu tenha sido infeliz em falar do AI-5’, diz Eduardo Bolsonaro

Parlamentar avaliou que ele foi democraticamente eleito e 'não convém para mim a radicalização'

[‘Talvez eu tenha sido infeliz em falar do AI-5’, diz Eduardo Bolsonaro]
Foto : Arquivo / Agência Câmara

Por Adelia Felix no dia 31 de Outubro de 2019 ⋅ 18:47

Após causar polêmica por declarar que caso haja uma radicalização da esquerda em protestos, como os que ocorrem no Chile, a resposta poderia ser via "um novo AI-5 ", o deputado federal pelo PSL paulista, Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que foi “infeliz” ao citar a medida adotada na ditadura no Brasil. A nova declaração foi feita em entrevista à Band, na noite desta quinta-feira (31).

“Talvez eu tenha sido infeliz em falar do AI-5. Porque não existe qualquer possibilidade de retorno do AI-5. Mas nesse cenário o governo tem que tomar as rédeas da situação. Não pode, simplesmente, ficar refém de grupos organizados para promover o terror”, disse.

E, continuou: “Não existe retorno do AI-5. A gente vive sob a Constituição de 1988. Fui democraticamente eleito. Não convém a mim a radicalização”, defendeu-se. O parlamentar acrescentou que “a oposição e a esquerda vão utilizar isso para tentar me pintar como ditador”.

O Ato Institucional 5 (AI-5) foi baixado no dia 13 de dezembro de 1968, no governo de Costa e Silva, um dos cinco generais que governou o Brasil na ditadura militar (1964-1985). A medida é considerada um dos atos de maior poder repressivo tomado na ditadura, resultando na cassação mandatos políticos e suspensão de garantias constitucionais.
 

Notícias relacionadas