Política

Secretário de Governo diz que acordo com Congresso teve aval de Bolsonaro e Guedes

Luiz Eduardo Ramos ainda afirmou que as acusações de que ele estaria articulando contra o governo são "fofoca" e "ciumeira"

[Secretário de Governo diz que acordo com Congresso teve aval de Bolsonaro e Guedes]
Foto : Alexandre Galvão/ Metropress

Por Juliana Rodrigues no dia 22 de Fevereiro de 2020 ⋅ 09:00

Após receber críticas dentro do Executivo por comandar o acordo com o Congresso sobre o Orçamento impositivo, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, afirmou que a negociação teve o aval do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Desde o início a negociação foi por ordem do presidente. O Paulo Guedes, o tempo todo, esteve ao meu lado. Em nenhum momento, sentei à mesa sem autorização do presidente ou sem o conhecimento do ministro Paulo Guedes. Não tem nada embaixo de panos e conchavos”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo, em sua primeira declaração pública sobre a polêmica.

Colegas que compõem o primeiro escalão do governo questionam a atuação de Ramos, alegando que o ministro cedeu às reivindicações do Parlamento e prejudicou o governo. Ele teria feito isso para ganhar cacife como articulador e se aproximar dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (AP), ambos do DEM.

“Está claro que o presidente tem me prestigiado e me apoiado, fruto de uma relação de amizade. Então começam a falar que estou articulando com Rodrigo Maia e o Alcolumbre contra planos do governo. Isso é só fofoca. Não tem nada. É ciumeira. Por isso digo que minha missão é difícil”, afirmou Ramos.

Leia mais:

General quer que Bolsonaro enfrente 'chantagem' do Congresso, mas presidente prega cautela

Maia, Gilmar e Doria veem escalada de ‘autoritarismo’ no Planalto

'É normal Congresso querer entrar no Orçamento, mas não precisa pisar no nosso pé', diz Guedes

Alcolumbre ameaça convocar general Heleno para explicar declaração contra Congresso

Ministros dão respaldo a acusações de Heleno sobre 'chantagem' do Congresso

Notícias relacionadas