Editorial

'Nunca vi tanta inação por parte do Governo Federal', diz MK sobre óleo nas praias; ouça

Em comentário na Rádio Metrópole, Kertész também se mostrou revoltado com o caso do homem baleado após beijar o companheiro em Camaçari

['Nunca vi tanta inação por parte do Governo Federal', diz MK sobre óleo nas praias; ouça]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Metro1 no dia 24 de Outubro de 2019 ⋅ 08:22

Em comentário na Rádio Metrópole, na manhã de hoje (24), Mário Kertész abordou os principais assuntos do noticiário local e nacional. Além de falar sobre o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito de prisões em segunda instância, previsto para ser retomado hoje à tarde, MK voltou a citar o problema das manchas de óleo nas praias do Nordeste e fez críticas à omissão do Governo Federal, em especial do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

"Essa coisa do óleo nas praias do Nordeste é um caos, um desastre como a gente nunca viu, e eu nunca vi tanta inação por parte do Governo Federal, sobretudo do ministro do Meio Ambiente, o 'bonitinho, mas ordinário'. (...) Eu nunca vi um sujeito tão pretensioso e tão incompetente dirigindo uma área tão importante, com repercussão no mundo todo. Primeiro, a Amazônia. Segundo, esse desastre aqui no óleo, que inclusive cerca de 16 mil pescadores foram afetados direta e indiretamente pelo derramamento de óleo nas regiões de Salvador, Itaparica, Vera Cruz e do Litoral Norte. É pouco? Você acha pouco? Pois é. Como é que vai ficar o comércio de peixe e outras coisas? Como é que vai ficar a vida dessas pessoas? E o turismo? Estamos entrando no verão e o turismo é fundamental para o Nordeste", disse.

Kertész também demonstrou revolta com o caso da tentativa de homicídio contra Marcelo Macedo, baleado com quatro tiros após beijar outro homem em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador. Para MK, um crime como esse merece ampla cobertura midiática.

"Venha cá, que país é esse que a gente tá vivendo? Me explique. Qual é o incômodo, o grande incômodo que causa numa pessoa, em ver dois homens ou duas mulheres se beijarem? O que justifica você levantar e dar quatro tiros num cidadão, e além disso espancá-lo com uma turma de frouxos, covardes! Vocês são covardes! São bandidos! (...) Eu fico indignado e vejo que a repercussão da imprensa, inclusive nossa, aqui, é frouxa! Frouxa! Uma coisa dessa merece indignação constante, permanente, cadê, o que foi que houve, quem é?! A gente só vê aumentar os crimes de ódio, de raiva. Mata mulher porque não quer mais o relacionamento, mata o gay porque tá se beijando... Onde é que a gente vai parar? É esse Brasil que a gente quer? Se vocês querem, façam bom proveito", indignou-se.

Notícias relacionadas